medo crenças

Para enfrentar o medo, troque  por confiança.

Todos nós temos medo. Como já disse em outros textos (leia aqui se quiser e aqui), ele não é privilégio seu ou meu, faz parte da natureza humana, porque é um mecanismo de defesa. Mas, muitos medos não são lógicos e por isso podemos questioná-los, acabam nos limitando e prejudicando, e gerando um desconforto bastante grande. Se todos têm medo, o próximo passo após reconhecê-lo, é ter coragem para enfrentá-lo. Mas, como vencer o medo? Corajosa não é aquela pessoa que não tem medo. É aquela pessoa que tenta enfrentá-lo, não é mesmo?

Por isso que medo não é o oposto de coragem. O sentimento oposto é a confiança. É confiança que temos que adquirir, que temos que construir para superá-lo, qualquer um que seja.

E como se constrói confiança? Ao entendermos o medo e as crenças que temos a seu respeito, podemos desafiá-las e começar a perceber que elas não têm fundamento e, portanto, esvaziar o medo e gerar confiança.

Como podemos lidar:

  • Primeiro, precisamos conhecê-los. Torne-se íntimo do seu medo. Destrinche-o. Entenda por que você se sente assim. Pergunte-se: qual a pior coisa que poderia acontecer nessa situação que me assusta? Por que isso é o pior? Saiba qual exatamente é o medo que você vai enfrentar. Como você irá enfrentá-lo se você não sabe exatamente do que ele é composto?

 

  • Segundo, desafie as suas crenças. As crenças são coisas que acreditamos sobre a vida, são as nossas regras sobre a vida – pessoais e únicas, que assimilamos desde a nossa infância, que absorvemos através de referenciais durante a nossa vida. Algumas delas nos fortalecem. Outras nos limitam porque trazem emoções negativas relacionadas ao assunto em questão. Quando você se perguntou por que tem esse medo, seja qual for ele, você está se dando pistas de quais as crenças que possui a esse respeito. Portanto, ao identificá-las, desafie-as se perguntando se são reais, se tem lógica, se são factíveis.

 

  • Terceiro, prepare-se. Passamos a nossa vida com medos, dos quais a imensa maioria não irá acontecer. Mas, e se acontecer? É assim que nos sentimos. É assim que funciona. E o problema está justamente em como nos comportamos a partir deste ponto. Deixamo-nos paralisar e somos levados pelo medo. Ao invés disso, a pergunta é: supondo que a situação que você mais teme, ocorra, como você faria para superá-la? Qual seria o seu plano para passar por essa situação hipotética, que te assusta e amedronta, da melhor forma possível? Como você gostaria de reagir caso o que você mais teme, acontecesse? O que te impede de reagir assim?

Pensando nisso, o que você precisaria ser, fazer ou ter para poder “dar a volta por cima” e superar a situação? Por isso, aqui estamos falando em se preparar. Quando nos preparamos para algo, significa que a situação não nos pegará de surpresa. E se não nos pegar de surpresa, sabemos quais os melhores comportamentos, atitudes e até mesmo as emoções que precisamos ter e provocar para o momento.

Fez sentido para você? Se sim, o que você pode fazer agora para dar um primeiro passo para enfrentar esse medo que você tem?