procrastinação, produtividade, alta performance, qualidade de vida,

 

E assim vamos. Mas, como lidar melhor com a procrastinação?

Não se sinta culpado quando você adia tarefas, ou se sente desanimado para fazê-las. Você, definitivamente, não é o único. Mas, com certeza deve pensar que é. Pelo menos era assim que eu me sentia. Eu aprendi a lidar com esse sentimento (a culpa) e a trabalhar em prol de diminuir esse obstáculo – a procrastinação, procurando neutralizá-lo.

Então, como fazer isso? Sabe-se que nós tendemos a procrastinar mais em atividades longas e também naquelas mais complexas, ou ainda naquelas que não gostamos muito. E essas características podem se combinar, só piorando a situação. Sabendo disso, quatro pontos ou formas de driblar a procrastinação funcionam para mim e podem te ajudar:

  • Nível e tipo de energia – avalie como você está energeticamente no momento. De nada vai adiantar, você se colocar a fazer uma tarefa complexa, se você não estiver presente, com um alto nível de energia, com disposição. As chances da atividade não ser concluída com boa qualidade serão altas ou até mesmo de não ser concluída. O que representará retrabalho em algum momento. É melhor se dedicar a algo que te agrade mais, exija menos energia, seja mais rápido de concluir, etc..

  • Composição do seu dia – sabendo disso, analise a sua agenda. Programe atividades com esse perfil em momentos do dia em que você sabe que há mais chances de estar bem. Da mesma forma, evite programar atividades em horários e dias que vão tornar difícil um bom resultado.
    Eu, por exemplo, tenho uma baixa de energia após o almoço, então, nunca programo atividades que vão exigir de mim muita presença, dedicação, concentração e raciocínio. Para esses momentos programo atividades mais operacionais, pertencentes ao campo da execução.

  • Aproveite momentos – outra dica é deixar algumas brechas na agenda, mais genéricas. Se perceber que aquele momento seria um bom momento energeticamente falando, para realizar aquela atividade, mesmo que não tenha sido programada para aquele dia e hora, aproveite e faça. Seja flexível. A ideia é aproveitar um estado que seria muito favorável para aquela tarefa, mesmo que isso demore um pouco a acontecer.
    Lembre-se que se você estiver trabalhando no importante, mas não urgente, é possível remanejar atividades, sem prejuízo do prazo, transferindo-as para momentos melhores.

  • Hora de procrastinar – por fim, eu acredito que a procrastinação numa dose pequena e controlada, pode ser positiva. Quer dizer, existem momentos que a vontade de não fazer nada é grande. O que fazer? Separe um momento no seu dia para isso. Um tempo que seja possível deslocar durante o dia. Se mantivermos uma agenda organizada, com pequenos momentos para procrastinar, além de não prejudicarmos a produtividade, não sentiremos culpa e teremos mais satisfação, por fazer algo que nos agrada. Isso está longe de ser procrastinar o dia todo. E não vale também postergar sempre a mesma atividade. Se isto estiver acontecendo com frequência, pense em alternativas, talvez outra pessoa para executar esta atividade.

    No final, é importante refletir sobre quais são as atividades que você mais procrastina. Existe alguma tendência? Por que isso acontece? Estão relacionadas a um momento do dia, a alguma característica da atividade ou a alguma característica sua? Pensar nisso vai ajudar a contornar a procrastinação e a conviver com ela sem culpa.