E como identificá-la.

Muitas vezes nos colocamos dispostos a realizar algo, a iniciar um projeto, a alcançar um objetivo que definimos para nós, mas não obtemos sucesso. Na grande maioria das vezes atribuímos o não sucesso a questões externas, como falta de dinheiro, falta de tempo, o mercado que não estava propício. As razões podem ser muitas. Mas, não raro nos esquecemos que a razão do fracasso (palavra que não gosto de usar, pelo peso que possui na nossa sociedade ) é a falta de habilidade. Não possuímos a habilidade ou as habilidades necessárias para tal.

Ou, muitas vezes, quando temos consciência da ausência de uma habilidade necessária, nem chegamos a colocar em prática porque identificamos que esta falta já irá inviabilizar a iniciativa e isso faz com que desistamos do nosso projeto.

Nas duas possibilidades, estamos deixando a oportunidade de conquistar um objetivo por causa da inércia, da falta de ação sobre um ponto muito específico. A paralisia que nos acomete, não nos deixa pensar na possibilidade de se capacitar para a tal habilidade.

Todo objetivo a ser alcançado requer habilidades. Estas habilidades uma vez identificadas podem ser adquiridas de diversas formas. Habilidades técnicas são em geral mais fáceis de suprir. Cursos, livros, tutoriais, especializações, atividades práticas, enfim, as ferramentas estão facilmente disponíveis. Digamos que você precise desenvolver uma habilidade técnica para escrever, além de uma extensa bibliografia que oferece dicas, métodos, orientações, “fórmulas mágicas”, ainda existem cursos disponíveis, vídeo aulas, blogs, enfim, adquirir esta habilidade requer principalmente boa vontade e tempo do indivíduo. Agora, imagine que a habilidade que você precisa desenvolver é uma habilidade comportamental. Esta se torna um pouco mais complicada, mas ainda assim totalmente possível. Para isso, também além de livros disponíveis, existem ferramentas como coaching, orientações específicas, e além é claro, de uma pré-disposição do indivíduo em transformar um comportamento em si mesmo, que é fundamental. Essa é a hora de deixar a preguiça de lado. Toda transformação gera trabalho e precisa de empenho e dedicação.

Quando temos clara a habilidade a ser conquistada, o processo parece ser mais transparente.

Se refletirmos a partir deste aspecto de habilidades, fazemos um raciocínio que vai ficar mais ou menos assim: tenho um objetivo A, para alcançar este objetivo preciso desempenhar com eficiência as tarefas B, C e D. A execução e a conclusão destas tarefas dependem de X, Y e Z habilidades. Destas habilidades, eu não sou capacitada em X e Z. Portanto, estas são as habilidades que preciso desenvolver.

Por exemplo, pode ser que você queira começar um negócio cujo assunto tecnicamente você domine, porém você não é hábil em negociação, ou tem pouca visão de mercado, habilidades necessárias para a conquista do seu objetivo, o sucesso de seu negócio. Você precisará conquistar essas habilidades, que abrangem o desenvolvimento dos setores emocional e mental.

“Temos dificuldade em identificar o que precisa
ser feito e consequentemente saber quais
as principais habilidades que são necessárias para esta realização.”

Mas, nem sempre é esse o cenário no qual gostaríamos sempre de estar: plena consciência do que temos que nos desenvolver. Penso que o cenário mais comum é: queremos algo para nossa vida, mas não sabemos como alcançar. Temos dificuldade em identificar o que precisa ser feito e consequentemente saber quais as principais habilidades que são necessárias para esta realização.

Neste cenário é que aquele raciocínio pode ajudar. Responda a essas perguntas:

*O que você quer conquistar?

* O que você identifica como sendo um ou mais conhecimentos, comportamentos ou conceitos assimilados que são necessários para o sucesso do seu projeto?

* Em quais destes conhecimentos, comportamentos e conceitos você se sente hábil e com domínio? Por quê? O que você vê que comprova isso?

 * Como você pode se capacitar nos demais conhecimentos, comportamentos e conceitos que você listou e que não se julgou hábil? Deixe sua mente livre neste ponto, pense em qualquer possibilidade.

Pronto. Agora, ponha em prática. Você já tem um plano de como começar a tirar o seu projeto do papel. É claro que, se estamos falando de negócio, a esses itens estão agregados uma série de necessidades e análises que vão compor o seu plano de negócio. Mesmo assim, há sempre um ponto inicial muito importante: se conhecer e compreender no que você ainda precisa se capacitar.