autoconhecimento, alta performance, ter sucesso, como ter sucesso, mindset, fabiana aparício, eu amanhã, projeto eu amanhã, bem estar, qualidade de vida, coaching, mudar de vida, mudança, como mudar de vida

 


O que te impede de fazer as mudanças que te fariam ter uma vida mais feliz, com mais sucesso?

Chega um momento em que sabemos o que precisamos fazer. Um momento em que depois de analisarmos tudo e nos conhecermos melhor identificamos o que precisamos mudar e que atitudes ter para mudar a nossa vida, para alcançar o sucesso que queremos, no que for. Algumas vezes são grandes mudanças, como começar um negócio próprio, mudar de país, transformar alguns comportamentos que sempre nos levam para o mesmo lugar. Outras vezes são mudanças menores, como inserir hábitos em nosso dia a dia, ou excluir alguns hábitos. Porém, qualquer mudança é na verdade significativa para quem está envolvido nela e está esforçando-se para conquistá-la. Por isso, não se deixe levar por esse julgamento acima e considere a sua mudança a mais importante para você.

Pensando nas razões que nos impedem de tomarmos uma decisão e de iniciarmos o trajeto a tão sonhada vida que queremos, ao nosso sucesso, cheguei a algumas razões principais e mais comuns, por experiência e também por relato de outras pessoas que compartilharam comigo a sua vivência. São elas:

  • MEDO. Medo de dar errar, medo de falhar, medo de não saber o que fazer, medo de mudar e não gostar do resultado, de não ter sucesso, etc.. Para não assumir medos que possuímos nós inventamos razões (para nós mesmos) que são nada mais nada menos do que desculpas para a falta de coragem de enfrentar o nosso medo.

    O medo é nosso grande inimigo porque ele nos paralisa e nos impede de avançarmos. O medo é uma reação de autopreservação e de proteção. Ele é instintivo, e por isso mesmo, às vezes não provém de algo palpável. O que significa que muitas vezes, ele é puramente emocional, por isso se avaliarmos os nossos medos, podemos chegar no caminho para superá-los. O caminho é identificá-los e buscar a sua origem. Quais os medos que você reconhece presente? É realmente uma ameaça? Como enfrentá-lo? Quanto tempo seria necessário para se recuperar caso algo desse errado?

    O que te impede de ter a vida

que você quer?

 

  • HABILIDADES. Ou melhor, a falta de habilidades necessárias. Muitas vezes por não nos considerarmos capazes ou hábeis em alguma competência técnica ou comportamental, excluímos totalmente a possibilidade de ir adiante com o plano. Precisamos refletir sobre o quanto aquela habilidade é fundamental para o nosso sucesso e quais as opções disponíveis? Adquiri-la. Transferi-la. Reconfigurar os seus planos de forma que a habilidade deixe de ser fundamental. Entre muitas outras possibilidades. Avaliar as opções não é o mais difícil, o ponto crucial é identificarmos que o problema está em não termos alguma competência necessária, ao invés de atribuir a falta de sucesso, de coragem para mudar, a relutância em iniciar, a outros motivos como falta de tempo, de dinheiro, etc.

  • CRÍTICAS EXTERNAS. Isso pode ser mais significativo do que você pensa. Afinal, qual é o peso que tem para você receber uma crítica de pessoas que são importantes para você ou que são referenciais? Qual a sua habilidade em receber críticas e administrá-las bem? Críticas pode ser um fator enorme de desmotivação. Elas podem até te fazer desistir do seu projeto.

  • CRENÇAS LIMITANTES. As crenças como o próprio nome diz podem ser extremamente limitantes e nocivas. Uma crença se constrói a partir de experiências que vivemos e a forma como as interpretamos. Em geral, são interpretações negativas e que acabam por nos condicionar a comportamentos padronizados, sempre que nos deparamos com o fator originário da crença. Assim, toda a vez que nos vemos frente a frente com uma situação relacionada à crença agimos, ou melhor, reagimos da mesma forma, o que nos coloca em um círculo de respostas iguais e nos impede de romper paradigmas e tomarmos atitudes diferentes. Essas crenças agem fortemente em nossa mente, indo além dos comportamentos, nos condicionando a mentalizações destrutivas e negativas, que acabam por reforçá-las.

  • PROCRASTINAÇÃO. Recentemente conversando com um amigo descobri porque somos tão impelidos a procrastinar. Existe uma tendência humana em se colocar sempre numa zona de extremo conforto. Não queremos estar fora dela e fazemos de tudo para nos mantermos nela. E o pior é que associamos zona de conforto com ócio. O que se conclui que estar na zona de conforto é estar em ócio. Quer dizer, se mesmo perante atividades que julgamos agradáveis nos colocamos a favor de procrastinar o que dirá de atividades que não são agradáveis, ou que dispendem mais tempo?

    E aqui, cabe um parênteses: se estamos fazendo algo para chegarmos a um objetivo que traçamos, um sonho, uma mudança que queremos promover, não devíamos considerar todos as atividades motivadoras, importantes e agradáveis, pois é um passo a mais que damos em direção à meta que traçamos? Isso significa atribuir significado ao que temos que fazer para alcançar o sucesso que queremos. Escrevi dois textos que falam mais sobre isso: Você tem certeza que quer isso? e 7 maneiras de se tornar mais produtivo hoje.

Tendo as razões mais comuns que nos impedem de conseguir o que queremos, o importante é refletir sobre elas na nossa vida. Identificá-las e atuar. De nada adianta conhecer, se não agimos sobre elas. Quebrando paradigmas, mudando comportamentos, criando mentalizações positivas, estruturando-se emocionalmente para não se deixar levar novamente por qualquer uma delas. Caminhando em direção ao seu objetivo, passo a passo, com consciência.