Você se considera um barco a vela, levado pelo vento e com menor controle e menos potência ou um barco a motor, que você leva para onde quiser e com grande potênica?

Quando penso nisso, percebo que já passei por estas duas fases. Já fui um barco a motor, depois fui um barco a vela e agora me coloquei novamente como um barco a motor. A diferença é que na primeira vez que fui um barco a motor, não tinha consciência do que estava fazendo. Sabia o que queria e comecei a agir em direção ao objetivo, mas não sabia exatamente como manipular (no sentido mais positivo da palavra) as oportunidades, como conduzir as minhas decisões com clareza.

A fase do barco a vela é claro que é o oposto, mas o que me parece mais frustrante é que não percebemos que estamos deixando a vida passar. Quando estamos vivendo essa situação achamos que estamos fazendo escolhas conscientes. Que estamos criando oportunidades e estamos conduzindo a nossa vida como queremos. E quando percebemos que não é nada disso que estava acontecendo, e o tempo passou, é que a frustração aparece.

Mas, se não nos damos conta que estamos vivendo assim, o que dirá termos clareza sobre o que queremos para nossa vida? Mas, isso é fundamental. Por isso, se ainda não pensou nisso, já passou da hora: o que você quer para sua vida? Como é a vida que você gostaria de ter? Como seria o seu trabalho, seu lazer, sua vida pessoal, como quer ganhar dinheiro e quanto quer ganhar? Quem são as pessoas importantes na sua vida? O que não pode faltar? E o que não te faz falta? O que você precisa para ser feliz?

Já perguntei isso antes.

Talvez estas perguntas sejam fáceis de responder. Que bom se for assim. E espero que sim e que seja da forma mais transparente possível. Talvez você precise se conhecer mais para ter certeza, para descobrir novos caminhos. Tudo bem também. É para isso que estamos aqui. Vamos procurar as respostas. O importante é que sejam verdadeiras. Que você seja sincera consigo mesma.

E essencial é chegar às respostas: saber o que te faz feliz e como é a vida que você quer. A partir daí você descobrirá o que precisa ser mudado. Que mudanças são necessárias para chegar ao estado que você elegeu? Se partir do final, ou seja, de algo que queira mudar, pode ser que ao alcançar o objetivo você perceba que não era aquilo que realmente te faz feliz e aí um gasto tremendo de energia e tempo foi feito prá conduzir uma mudança que não era exatamente o que você precisava e queria.

Resumindo, foi assim que eu fiz: quando percebi que eu não estava feliz, procurei identificar o que estava causando a minha infelicidade. Esforcei-me para mapear ainda mais tudo o que era importante para mim, os meus valores, o que eu gostava e não de fazer. Esbarrei numa série de coisas que eu queria para mim e para a minha vida, algumas eu já havia alcançado, outras não. E comecei a me preparar para mudar. Para atingir os objetivos que tracei para a minha vida. Aquela que eu escolhi.